terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Depois de Você

Para ler ao som de “Os outros”, Leoni.

Meu calendário foi zerado no dia em que você se foi. Posso contar a minha vida por esses dois períodos - o antes e o depois de você. O antes é tudo simplificado. São lembranças meio vagas, meio opacas, como fitas velhas de VHS. Foram dias nublados dos quais nem me lembro direito. E se não trouxesse algumas cicatrizes poderia jurar que não foram reais. Tem uma no meu pé direito que prova que alguns anos atrás, na época agora denominada Antes de Você (ou AV, pra encurtar) me acidentei de forma estranha com um prato num acampamento. Tenho muitas histórias pra contar dessa época, algumas eu só sei porque me contaram. Mas muitas delas merecem créditos de contos ou lendas, não sei. São meio desfocadas. Lembro de ter muitos objetivos e sonhos, alguns bons amigos, muitas risadas, fins de semana atarefados. Alguns desapontamentos, claro. Mas hoje são contados sem traumas. Não deixaram danos permanentes.

Aí vem um período um tanto confuso que eu poderia chamar de entre-épocas. Mais ou menos como a história e Jesus Cristo, entende? Se estivéssemos falando dele, ele agora estaria andando sobre as águas ou multiplicando uns peixes. Eu estaria encontrando você. E eu poderia chamar isso de milagre porque é assim que chamam as coisas inacreditáveis e sem explicação que se deve agradecer todos os dias. Então vem o caos, que eu também poderia chamar de crucificação porque foi como eu senti. Só que meu coração não voltou a bater depois de três dias. E ninguém foi salvo por isso. Na verdade, depois “disso” eu me sinto cada dia mais sem rumo. Foi o fim e todo fim trás em si algo de melancólico e deprimente porque significa que alguma coisa está sendo perdida. É, fins podem indicar o começo de alguma outra coisa mas esses começos nem sempre são tão bons quanto aquilo que terminou.

Então nos encontramos onde eu, e de certa forma você, estamos. Fácil de presumir. Estamos no período Depois de Você (ou DV, se preferir). Têm sido dias tão claros e tão marcados. Cada dia é como uma fotografia que penduro na parede e com o tempo posso ver sua imagem sem nem mesmo olhar pra ela. O tempo anda rápido nessa nova época e eu não sei o porquê de tanta pressa quando é óbvio que, sem você, não irei a lugar nenhum. A vida continua mas continua daquele jeito, sabe? Meio que falhando. Ainda tenho alguns objetivos e sonhos mas tenho que te apagar deles antes de tirá-los da gaveta. Sei que posso contar com alguns bons amigos. Não os mesmo nem tantos quando antes mas definitivamente melhores. Risadas? Sempre, é claro. Você sabe que sei ver a graça até na desgraça. Admito que meus fins de semana saíram do ritmo mas isso é questão de tempo até adaptar a nova época. Quanto aos desapontamentos só me resta um. Nenhum outro tem a menor significância, nem me abalam, nem um arranhãozinho sequer. E não é o que você pensa. Não é a sua ausência que me machuca. É justamente o fato de haver uma ausência. Olha, seria muita presunção sua achar que meu vazio tem exatamente suas medidas e minha mão só fica bem com a sua. Tenho quase certeza de que há alguém perfeito pra ocupar seu lugar.

E esse é o problema.

Porque quando conheço alguém me pergunto se é melhor que você, se me completa como você completava, se tem ou não as qualidades que eu tanto admirava em você, se tem ou não os defeitos que eu ignorava em você. Percebe? Então conte quantas vezes eu digo “você” e talvez entenda. Até quando você não está as coisas são sempre sobre você. E eu sei que não vão mudar. Quem iria contentar-se com menos depois de ter vivido a perfeição? Se com você era tudo, sem você vai ser sempre “quase” ou “quase nada” ou simplesmente “nada”. Um “quase” amor, uma poesia incompleta, um filme sem final, um livro faltando páginas. Os menores gestos, as palavras mais insignificantes vão gerar uma comparação “quase” involuntária.

É porque o Depois de Você já existe. Então o Sem Você se torna fisicamente impossível. E sem você, meu bem, nada faria sentido.



“Às vezes não consigo compreender como outro pode amá-la, ousa amá-la, uma vez que eu a amo tão unicamente, tão profundamente, tão perfeitamente; uma vez que nada conheço, nada sei e nada tenho, além dela.”

Trecho em transcrição literal de Os Sofrimentos do Jovem Werther, J.W. Goethe

15 maldades alheias:

Lily kristina disse...

"Até quando você não está as coisas são sempre sobre você. E eu sei que não vão mudar"
LOL que sofrimento hein?
.-.
ah obrigada pela opinião. sério, vc foi a melhor :)

Carla Farinazzi disse...

Oi Lud,

O DV dói mais do que pensamos seja a nossa capacidade de suportá-lo. E nunca se tornará "Sem Você". Porque não há essa possibilidade.
Adorei o texto, senti cada letra, cada palavra e frase. Forte sua escrita, como sempre.

Beijos

Carla

Caixa disse...

...eu não sei o porquê de tanta pressa quando é óbvio que, sem você, não irei a lugar nenhum.
Sem comentarios..O texto dispensa.
Beijão.

Junior Rios disse...

Concordo com o Phelipe, o que dizer se tudo já está mais do que dito...Se perfeito servir, considere!Lindo post!

Bjo e ótima quarta!


wwwsinparangon.blogspot.com

Alana Driziê disse...

Muuuuuuito bom. Lindo, sério mesmo... senti como se fosse uma dor minha, muito profundamente.

Estou seguindo seu blog e darei uma passada por seus outros posts... :)

http://alanadrizie.blogspot.com

Rubi disse...

Você se expressa muito bem sabia ?
Fiquei extremamente encantada com o seu texto.
É difícil encontrar pessoas que escrevem bem hoje em dia, e quando a gente encontra, dá até gosto de ler até o fim!

Obrigada pelo comentário *--*
Estou seguindo, caso lhe convir, me siga também!

William disse...

Olá Lud,
Começou do zero? Quantas vezes precisamos fazer isso, independente do motivo?
Uma coisa é certa, o ser humano é um bicho estranho e relacionamentos precisam ser moldados por ambos.
Uma ótima quarta feira pra ti.

Wanda disse...

Lud, que lindo Floor ! :)

Felippe Noah disse...

Lindo texto. Uma "infelicidade inspiradora"
Seguindo você! Abraço!

www.blogdaesfinge.blogspot.com

Faa Cintra disse...

To gostando de passar aqui

Os intrigantes pensamentos da Lud disse...

Não consigo parar de ler este post. Sempre que posso, volto aqui e mergulho em cada palavra, em cada vírgula. O mais encantador pra mim foi algo tão pessoal se tornar tão público de maneira tão real e tão sutil. Parabéns!

*Obrigada pelo comentário lá no blog! Volte sempre, seu comentário tem grande valor pra mim!

beeijo

S.tephanie M.ello disse...

É horrível perder alguém...
As lembranças torturam bastante.

Florisbella disse...

Incrível como eu tenho encontrado pessoas que passam pelo que eu estou passando. Ou pelo menos em parte.
Lindo o que vc escreveu.

Geni Laís disse...

é surpreendente como as suas palavras sempre conseguem me mostrar alguma coisa muito especial. não é a primeira vez que isso acontece, aliás, eu não lembro de ter entrado aqui alguma vez e não ter me surpreendido com algo que está escrito. você é incrível, não esquece disso.

Vinicius.C disse...

Oiiiii muito legal ter lembrado da música ao ler meu post!Espero que nao suma espero te ver sempre no Alma, quanto a mim, seu blog virou parada obrigatória!!

Um ótimo fds!

Nos encontramos no Alma, ou aqui.

Vinicius.

Postar um comentário

 
Copyright © But We Got Rain
Blogger Theme by BloggerThemes | Theme designed by Jakothan Sponsored by Internet Entrepreneur