quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Fique comigo

Não vá embora, por favor. Ainda é tão cedo. E eu gosto tanto de estar com você e das nossas conversas. Gosto quando falamos do último filme que você viu, do livro que estou lendo, de política, de arte, de nossos sonhos e de como nossa realidade está tão longe deles e de como conseguimos rir disso tudo. E eu sei que não vimos os mesmos filmes, nem lemos os mesmos livros, você nem nunca ouviu falar do meu poeta preferido, não temos as mesmas visões políticas, nem admiramos as mesmas pinturas no museu. Mas talvez isso seja uma coisa boa. Se concordássemos em tudo não teríamos sobre o que discutir e ficaria aquele silêncio tedioso.
Olha, não leve a mal o que vou dizer agora. Não é que eu goste de estar com você só porque me ajuda a esquecer. Não é só porque, quando estamos juntos, eu consigo não pensar no que me machuca. Você me faz bem de tantas formas.
Quando você me abraça e eu sinto que vou sumir nos seus braços é como se nada mais pudesse me ferir. E eu fecho os olhos, sem medo, me sentindo protegida. Não sei como você faz isso mas nos seus braços e de olhos fechados não vejo mais os rostos que me assombram, nem as palavras que me abalam, nem escuto as vozes que me destroçam.
Quando você me olha com esses teus olhos tão negros não consigo evitar de corar. E o calor do meu rosto seca a última lágrima que eu deixei escapar.
Só você me faz acreditar no impossível. Me mostra a cada dia que sorrir é mais fácil do que parece. Você toca minha mão e eu me desfaço só pra te ver juntar. Você sorri e me falta o ar.
Quando você me beija meu coração volta a bater, e apressado. Como que para recuperar o tempo perdido. Depois de tanto tempo eu consigo senti-lo vivo, ainda que um pouco frágil.
É por isso que você não pode ir ainda. Não enquanto minhas feridas não pararem de arder, de sangrar e finalmente, não enquanto elas não cicatrizarem. Fique comigo até o sol nascer. E quando ele nascer, fique até que ele se ponha. Porque eu sei que no momento em que você for vai voltar a doer, vai voltar a sangrar, vou esquecer como sorrir e não vou mais poder conter as lágrimas. Você é a minha cura. Eu preciso de você como o dia precisa do sol pra ser o que é. Eu não posso fazer um retrato falado da sua alma mas quero ter a vida toda pra aprender. Eu só preciso que você fique.



"Temos, porém, de nos conformar, como um viajante que deve transpor uma montanha. Sem dúvida, se a montanha não estivesse ali, o caminho seria muito mais cômodo e mais curto; mas, já que está, é preciso vencê-la!..."


Na próxima semana, o ÚLTIMO POST DO ANO. E, é claro, a última citação.

13 maldades alheias:

Sandro Honorato disse...

Olá e ai tudo bem?
Belo texto*-*
Sei bem como é ver quem voce ama ir embora :S
Tenho um nvoo poema visita?
RIMAS DO PRETO

Beijos
OBS:Por favor,faça mais textos depois da semana que vem,voce escreve muito bem

Tati disse...

Que post lindo, me identifiquei muito, como se eu também o tivesse escrito.
beijo grande..

Blog da Fofa disse...

Oi Lud, triste seu texto. Triste, mas lindo e recheado de sentimento. Já diria Renato Russo: "Quem inventou o amor, me explica por favor..." Bjos Linda adorei

Caixa disse...

Lindo texto querida.
Lindo mesmo.

Por que você faz poema? disse...

Sem maldade alheia, aguardo a ultima postagem do ano.

Os intrigantes pensamentos da Lud disse...

Não sei se o seu comentário no meu blog se referia a esse post, em especial, mas o meu post bem q parece uma introdução a este! E aqui vc realmente diz o q está preso na alma. Mas, qnd dizemos, não parece até um egoísmo enorme? Pedir para algm continuar aqui, ao lado, para q as feridas não aumentem? Sim, viver é uma arte. E uma arte da qual nunca saberemos o segredo de ser tão bela, e tão misteriosa.
Amei o post!
Abraços!

Vivian Mont'Alverne disse...

Muito bom e interessantíssimo!
Já estou seguindo você! Fique bem, um beijo :)

Neide Gautama disse...

Que lindo e intenso Lud.
As vezes tem lembranças como essa que eu nunca me esqueço. Não quero apagar nunca!

Carla Farinazzi disse...

Lud!!

Que texto mais lindo...! Eu gostaria de ser o alvo desse texto, sabia! Gostaria que alguém pensasse e sentisse isso de mim. Sinceramente.

Aliás, um post que fiz agora há pouco me lembrou esse seu texto. Uma coisa forte, que vem de dentro da gente, que caminha em nosso sangue... Que não pode deixar de ser.

Beijos

Carla

(eu queria tanto que alguém me dissesse isso)

Alexandra Gurgel disse...

Linda declaração de amor!
Quando temos a certeza de que aquela é a pessoa não a deixamos ir embora e fazemos de tudo para que fique.

Beijos, Lud

M. T. disse...

Ameei seu blog ...

To seguindo e espero retribuição

Beijos

http://mylifefail.blogspot.com/

http://cetimcorderosa.blogspot.com/

Junior Rios disse...

Lud, que texto mais envolvente e declaratório!Palavras usadas perfeitamente para expressar o que se passa em uma alma que procura solução!Parabéns pelo blog!Espero sua visita também wwwsinparangon.blogspot.com

Feliz Natal!

Geni Laís disse...

nossa, que lindo!
super gostoso de ler, super verdadeiro.
incrível; me identifiquei demais.

Postar um comentário

 
Copyright © But We Got Rain
Blogger Theme by BloggerThemes | Theme designed by Jakothan Sponsored by Internet Entrepreneur