quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Refém

A ideia me veio tão rápida quanto o brilho da luz de um relâmpago no céu escuro. E me atingiu tão forte de um jeito que eu não sei se explico bem, mas foi como cair do prédio mais alto no asfalto mais rígido. E sem perceber me vi com um sorriso no rosto e não mais que uma réstia de melancolia no coração. De toda a minha dor restava não mais que um leve incomodo que eu facilmente afastaria com um espanar de mãos. Assim como se faz como as moscas no verão. Toda a minha tristeza foi embora sem mais nem menos, sem aviso prévio, sem nem um bilhete sobre o travesseiro. Por tanto tempo ela fora minha única companhia nas noites de insônia. Só ela secou minhas lágrimas, como mais ninguém faria. Era tudo o que eu conhecia. Tudo o que eu entendia. Agora ela se foi. E me abandonou aqui, com essa ilusão efêmera que alguns chamam por felicidade. Logo eu, que a recebi tão bem e de braços abertos. Eu me perdi por tanto tempo que esqueci como as coisas eram antes. Pode alguém se acomodar ao mais profundo desespero? É tão difícil ter que me reestruturar nessa nova realidade, que de tão profunda lembra um pingo d’água. Eu preferiria ver o mundo eterna e poeticamente em preto e branco. Queria voltar a me sentir tão frágil a ponto de perceber até a mais leve brisa como uma ameaça. Quero de volta a dor que me fez gritar poesias, tropeçar na arte, chorar saudade. A arte não pode nascer da felicidade. Não há nada lírico que se possa tirar daí. Como um parente que vem de longe, a tristeza voltou para o lugar de onde veio sem dar a data de sua volta. E cruelmente deixou marcas de sua presença em todos os cantos da casa. Levou consigo todo o silêncio angustiante, todas as horas intermináveis e deixou essa canção estranha que se repete no rádio. Vai ver até que essa vida é morte – uma moça canta – E a morte é a vida que se quer. Vai ver até...


“Quem da solidão fez seu bem
Vai terminar seu refém
E a vida pára também.”



7 maldades alheias:

Roberson disse...

Magnífico!...

Sinceramente, está tão bom que as palavras me somem agora neste ato de comentar.

Parabéns mesmo!

Beijos, Tina!! =***

Anônimo disse...

hmmmmmmm
até eu faço melhor...

MENTIRA
uhsdhuiashdiuhasd
ta mara!
e os textos alegres? tchove? ahahahha
bjbj
yan

KetyBahr disse...

Tá beem Lindo seu Blog Lud!
BeeijO!

Anônimo disse...

Haha, realmente foda isso.

Risadas por que? Porque é um texto completamente ambíguo! Não gramaticalmente falando. Mas o que está escrito é uma coisa, e a forma como está escrito é outra.
Realmente nunca tinha visto uma descrição tão depressiva da felicidade!

Curti mesmo, valeu a pena te criticar e falar que não curto temas aleatórios.

Marcelo
http://sejamarginalsejaheroi.blogspot.com

Diego Dias disse...

Como diz o mundo canibal

Maraviwanderfulll!

kkk

adoro textos que mascaram o sentido real dele e meio que forçam a gente a olhar além das palavras. Ah se todos escrevessem assim hoje em dia, não teríamos tantos escritores falidos ou frustrados e muito menos leitores sem coisa alguma pra ler rs

Beijão

Sandro Honorato disse...

oi e ai tudo bem?
Obrigado por me elogiar em meu blog.
Gostei do teu blog tambem. Bela escritora voce.
Voce não precisava se expressar em poesias,mas com o coração.
Seguindo aki

www.rimasdopreto.blogspot.com
Bjos

Johannes Dudeck disse...

Adorei o final... E amei última frase. rs =D

Parabéns pelo belo texto e criação..Abraço

Refém da solidão..é a pura verdade isso..me tornei um..=/

Postar um comentário

 
Copyright © But We Got Rain
Blogger Theme by BloggerThemes | Theme designed by Jakothan Sponsored by Internet Entrepreneur